Quinta, 17 de outubro de 2019
Mato Grosso do Sul - (67) 99257-6730
Política

30/09/2019 às 10h46

1.751

Redacao

Ponta Porã / MS

Velha guarda do MDB descarta disputar eleições municipais
Ex-vereadores, ex-deputado e ex-senador não pretendem concorrer pelo partido no pleito de 2020
Velha guarda do MDB descarta disputar eleições municipais
Ex-governador Puccinelli disse que não vai concorrer - Foto: Valdenir Rezende/Correio do Estado

Conhecidos da população por eleições passadas, políticos antigos do MDB não devem concorrer em 2020 às eleições municipais. No sábado (28), o partido realizou a convenção municipal no diretório de Campo Grande e nomes como dos ex-vereadores Carla Stephanini, Vanderlei Cabeludo, do ex-deputado estadual Junior Mochi e do ex-senador Waldemir Moka estiveram presentes, além do líder maior do partido e ex-governador de Mato Grosso do Sul, André Puccinelli. 


Com a pretensão de lançar 58 candidatos a vereador na Capital e entre 40 e 45 candidatos a prefeitos no Estado, o partido não deve contar com nomes tradicional. A ex-vereadora Carla Stephanini foi convidada por Puccinelli para novamente concorrer a uma vaga na Câmara Municipal de Campo Grande, mas ainda não definiu se terá o nome nas urnas.


“Ainda estou em um processo de decisão. Ainda não me defini, mas de qualquer forma eu sou uma mulher que incentiva, até pela nossa representatividade partidária, trabalhamos o empoderamento das mulheres e empoderar as mulheres é dar a elas a voz política. Estamos vendo cada vez mais, inclusive do ponto de vista institucional do próprio TSE [Tribunal Superior Eleitoral], com as suas decisões no sentido de fortalecer a participação das mulheres nos partidos políticos, também garantindo o acesso ao fundo eleitoral. Mas com relação a minha candidatura eu ainda preciso fazer uma avaliação própria”, destacou.  


Outro nome conhecido que deve ficar de fora das urnas é o de Vanderlei Cabeludo. Ele foi vereador por Campo Grande e ao participar da convenção do MDB disse ao Correio do Estado que não deve concorrer. Eleito em 2012, o emedebista ficou como suplente em 2016. “Eu não devo sair, ainda tenho que avaliar, mas não devo concorrer”, afirmou.


No pleito de 2012, o partido elegeu sete vereadores,  estava à frente da Prefeitura Municipal de Campo Grande por 16 anos consecutivos, sendo oito de Puccinelli e oito do atual senador Nelson Trad (agora PSD), e tentava se manter no Executivo com o ex-secretário de Obras do governo Puccinelli Edson Giroto. Foram eleitos Paulo Siufi, Edil Albuquerque, Jamal Salem, Grazielle Machado, Carla Stephanini, Mário Cesar e Vanderlei Cabeludo, porém, em 2016, sem candidatura própria ao Executivo, o partido conseguiu apenas dois vereadores eleitos, Dr. Loester e Wilson Sami. 


Para 2022, ainda estão sendo feitas as escolhas da agremiação e há possibilidade que o ex-senador Waldemir Moka concorra ao Executivo municipal. O nome dele está sendo avaliado junto ao do deputado estadual Márcio Fernandes, do vereador Loester e da ex-candidata a vice-governadora Tânia Garib, porém, Moka destacou que não é uma vontade sua concorrer, está apenas à disposição do partido. 


De acordo com o ex-senador, ele quer ajudar o partido em todo o Estado e, se disputar a prefeitura, não deve conseguir viajar para colaborar com outras campanhas. 


Quem também não quer ser candidata a prefeita é Tânia Garib. Ela disse que  o partido deve incentivar mais a juventude para ter outros nomes disponíveis. Porém, durante a entrevista com o Correio do Estado, Tânia foi interrompida por Puccinelli dizendo que ela era pré-candidata sim. Garib foi secretária de Assistência Social enquanto André estava à frente do Executivo de Mato Grosso do Sul. 


O próprio André Puccinelli não quer ser candidato a prefeito. Ele disse que vai ajudar o partido a fortalecer suas bases e pesquisas qualitativa e quantitativas serão feitas para definir o nome da agremiação em Campo Grande, contudo, o dele não será uma opção. 

FONTE: Correio do Estado

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2019 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium