Sábado, 19 de Junho de 2021
Mato Grosso do Sul (67) 99257-6730
Geral MEIO AMBIENTE

Estudo demonstra a importância da vegetação ribeirinha

Professor do curso de Ciências Biológicas do CPTL participou da pesquisa desenvolvida em parceria com cientistas de 32 países

03/06/2021 10h24
133
Por: Redacao Fonte: Vanessa Amin
Estudo demonstra a importância da vegetação ribeirinha - Fotos: Luz Boyero e Silvia Milesi
Estudo demonstra a importância da vegetação ribeirinha - Fotos: Luz Boyero e Silvia Milesi

Um experimento conduzido por mais de 40 equipes de pesquisa em todo o mundo, demonstrou a importância da diversidade da vegetação ribeirinha para a decomposição da serapilheira em ecossistemas aquáticos. “O estudo ressalta que este efeito de diversidade é ainda mais forte em riachos tropicais do que em latitudes mais altas”, explica o professor do curso de Ciências Biológicas do Campus de Três Lagoas (CPTL) Luiz Ubiratan Hepp.

Luiz é um dos 67 pesquisadores de 32 países que conduziram os trabalhos de pesquisa. “O convite para a pesquisa surgiu por conta da cooperação de longa data que tenho com alguns pesquisadores portugueses e espanhóis, especialmente com a Luz Boyero, da Universidade do País Basco.  São projetos que acontecem há muitos anos e terão continuidade por mais alguns”, conta o professor.

Serapilheira é a camada superficial do solo de florestas e bosques, feita de folhas, ramos, em decomposição, misturados à terra. De acordo com o pesquisador, a decomposição da serapilheira é um processo crucial em ecossistemas aquáticos e desempenha um papel fundamental na troca de carbono entre a biosfera e a atmosfera, implicando em feedbacks potenciais sobre o clima.

“O estudo coordenado globalmente, identifica a diversidade de plantas como uma grande influência na decomposição da serapilheira, mostrando que a alta diversidade funcional da serapilheira (por exemplo, em dureza, teor de nutrientes, presença de toxinas) estimula a decomposição mais em latitudes baixas do que em climas mais frios, onde os consumidores usaram os diversos recursos com menos eficiência do que nos trópicos. Isso sugere que o funcionamento dos ecossistemas aquáticos pode ser particularmente vulnerável às práticas florestais que são prejudiciais às florestas tropicais nativas”, relata Luiz.

O professor explica que no contexto da pesquisa, foi avaliada a importância da serapilheira como fonte de energia em ambientes aquáticos, sobretudo, relacionanda à decomposição desse material com o ciclo do carbono. “A organização geral dos estudos foi da Universidade do País Basco, que enviou material para que os parceiros realizassem o experimento em seus locais. Na sequência, cada local desenvolveu o experimento para coleta de dados. E no final todos participaram da análise e discussão dos mesmos. Foram aproximadamente 18 meses de pesquisa”, fala.

Sobre os ambientes do estudo, o pesquisador explicou que tratam-se de pequenos riachos e córregos. “Esses ambientes dependem muito da vegetação ripária para ‘funcionarem’ adequadamente. São importantes pois prestam inúmeros serviços ecossistêmicos e tem relações diretas ao abastecimento de agua, manutenção da diversidade, entre outras funções. O principal resultado está ligado a importância da diversidade vegetal, que, se for reduzida, irá afetar o processamento de material orgânico e influenciar no funcionamento e biodiversidade desses riachos e córregos”, enfatiza.

Luiz ingressou no corpo docente do CPTL em dezembro de 2020. “Vim do Rio Grande do Sul e estou trazendo para a UFMS minha rede de cooperações nacionais e internacionais. Este trabalho faz parte do projeto de bolsa produtividade CNPq que tenho institucionalizado aqui na Universidade que aborda sobre funcionamento de riachos e serviços ecossistêmicos em zonas ripárias”, explica. O professor comenta que já estão em andamento dois processos para formalizar cooperações com instituições nacionais junto a Agência de Internacionalização e de Inovação (Aginova) e, muito em breve, iniciará a formalização de processos de cooperação internacional.

“Estudos em escala global são importantes para a compreensão dos padrões e processos ecossistêmicos, num momento em que o planeta passa por mudanças climáticas. Essas pesquisas promovem a geração de conhecimento sobre os efeitos antrópicos sobre o meio ambiente em diferentes escalas, facilitando assim, a elaboração de estratégias mais seguras para a recuperação, proteção e gestão dos recursos hídricos. Ainda, as cooperações institucionais demonstram o potencial e importância da UFMS no desenvolvimento de pesquisas, o que refletem diretamente na sociedade, a partir da formação de recursos humanos qualificados e atentos às demandas ambientais atuais”, finaliza.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ponta Porã - MS
Atualizado às 22h40 - Fonte: Climatempo
Muitas nuvens

Mín. 13° Máx. 15°

° Sensação
13.8 km/h Vento
97.1% Umidade do ar
0% (0mm) Chance de chuva
Amanhã (20/06)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. Máx. 17°

Sol com muitas nuvens
Segunda (21/06)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 13° Máx. 21°

Sol com muitas nuvens e chuva
Anúncio
Ele1 - Criar site de notícias