Com show de Neymar, Brasil goleia Panamá em teste pré-Copa


Brasileiros se abraçam após terceiro gol da Seleção (Foto: Ricardo Matsukawa / Terra)

Brasileiros se abraçam após terceiro gol da Seleção
(Foto: Ricardo Matsukawa / Terra)

Depois de reclamações de Luiz Felipe Scolari durante a semana e alguma apreensão pública com a preparação para a Copa do Mundo, a Seleção Brasileira demoliu as preocupações na tarde desta terça-feira e goleou o Panamá por 4 a 0, em amistoso disputado em Goiânia. Comandado por Neymar, o time “jogou para a torcida”, cerca de 31 mil pessoas que vibraram com dois golaços, muitos dribles, chapéus, toques entre as pernas e firulas, além da goleada.

O Brasil volta a campo na sexta-feira, quando encerra a preparação para a Copa no Morumbi, em São Paulo, contra a Sérvia, também às 16h (de Brasília). Depois, estreia no Mundial em 12 de junho, na Arena Corinthians, em São Paulo, às 17h, contra a Croácia. Na primeira fase, a Seleção de Luiz Felipe Scolari vai pegar México e Camarões.

O fato de enfrentar os mexicanos foi o que motivou a Seleção Brasileira a fazer amistoso contra o Panamá, devido ao estilo de jogo parecido. Em Goiânia, a equipe chegou à 14ª vitória nos últimos 15 jogos – desde que fez 3 a 0 na França, em junho de 2013, só perdeu para a Suíça, em agosto. O bom resultado veio acompanhado também de bom futebol, para satisfação de Luiz Felipe Scolari.

Durante a semana, o treinador manifestou irritação com a forma como a equipe se portou no treinamento de domingo. A resposta positiva veio no gramado do Estádio Serra Dourada. O Panamá não ofereceu grande resistência depois de 20 minutos de jogo pegado e maneirou nas entradas violentas, embora algumas delas tenham sido registradas. O desempenho do time fez com que o goleiro Júlio César se tornasse mais um expectador do jogo.

Do campo de defesa, ele viu diversas jogadas de efeito de Neymar: toques entre as pernas, cortes secos, chapéus. O camisa 10 marcou o primeiro gol aos 26min, em cobrança precisa de falta sofrida por ele mesmo em um lance em que poderia ter servido Fred. Aos 39min, Daniel Alves usou a mesma estratégia para amplicar: recebeu pela direita, de fora da área, e bateu cruzado com força para marcar.

No segundo tempo, Felipão deu início aos testes com três alterações: entraram Hernanes, Maicon e Maxwell nos lugares de Ramires, Daniel Alves e Marcelo. O time já não contou com Paulinho, Thiago Silva e Fernandinho, que foram poupados e sequer viajaram a Goiânia. Logo no primeiro minuto de jogo, a equipe fez mais um golaço, para a alegria dos 31.871 presentes no Serra Dourada.

A jogada foi rápida: Neymar recebeu passe no ataque e, de costas para o gol, tocou de calcanhar para encontrar Hulk, livre; o atacante bateu de perna esquerda, com efeito, e acertou o canto oposto, ampliando para três a vantagem. Aos 20min, Felipão colocou Willian no lugar de Oscar. O jogador do Manchester City fez o quarto gol aos 27min, aproveitando passe de Maxwell dentro da área.

Aos 35min, Neymar cobrou falta da direita e Henrique, que substituiu David Luiz, cabeceou a bola e acertou o travessão. Aos 39min, um lance confuso ocorreu: em bola cruzada na área, houve bate-rebate quando o árbitro marcou pênalti e expulsou Gómez por tocar a bola com a mão. No entanto, desistiu da marcação para definir impedimento do ataque brasileiro.

FICHA TÉCNICA
BRASIL 4 X 0 PANAMÁ
Local:
 Estádio Serra Dourada, em Goiânia (GO)
Data: 3 de junho de 2014, terça-feira
Horário: 16 horas (de Brasília)
Árbitro: Raul Orozco (BOL)
Assistentes: Efrain Rodríguez (COS) e Javier Bustillos (BOL)
Cartões amarelos: David Luiz e Neymar (Brasil). Gomez, Cooper e Tejada (Panamá)
Público: 30.663 pagantes
Renda: R$ 2.548.030,00
GOLS: BRASIL: Neymar, aos 26, e Daniel Alves, aos 39 minutos do primeiro tempo. Hulk, a 1, e Willian, aos 27 minutos do segundo tempo
BRASIL: Júlio César; Daniel Alves (Maicon), David Luiz (Henrique), Dante e Marcelo (Maxwell); Luiz Gustavo, Ramires (Hernanes) e Oscar (Willian); Hulk, Fred (Jô) e Neymar
Técnico: Luiz Felipe Scolari
PANAMÁ: McFarlane (Calderón); Machado, Román Torres (Cummings), Baloy e Carroll (Carlos Rodríguez); Cooper (Jimenez), Amílcar Henríquez, Gabriel Gómez e Quintero (Gabriel Torres); Tejada (Nurse) e Muñoz
Técnico: Hernán Gómez

Terra