Coluna INFORME JN, do jornalista João Natalício


AINDA A INDECISÃO

* Até parece que em Mato Grosso do Sul quem está decidindo sobre candidaturas ao Governo do Estado e a montagem das chapas majoritárias é o próprio eleitorado da capital e do interior. Isso porque os protagonistas da sucessão estadual estão mais perdidos do que coruja fora do ninho.

* Os supostos pré-candidatos ainda não têm certeza com quem poderão estar juntos durante a campanha eleitoral que começa no dia 6 de julho em pleno período das disputas das quartas de final e semifinal da Copa do Mundo. A grosso modo poder-se-ia dizer que os pré-candidatos ao Governo do Estado ainda não têm certeza quem será adversário e quem será companheiro.

A PALAVRA DO ELEITOR

* Na cabeça do eleitor – em razão do que a mídia vem divulgando – os três nomes que deverão brigar pelo cargo do governador André Puccinelli serão o ex-prefeito de Campo Grande, Nelsinho Trad (PMDB); o senador Delcídio do Amaral (PT) e o deputado federal Reinaldo Azambuja (PSDB). Todos eles da categoria bitola larga da política estadual.

* Nelsinho Trad, por exemplo, está certo que ele será o candidato ao Governo e a ex-vice-governadora Simone Tebet será a candidata ao Senado, mas ainda desconhece quem será o vice. Sem falar no incômodo dos pitacos do “fogo amigo” que ele ainda poderá ser substituído pelo senador peemedebista Valdemir Moka. Fato improvável, mas a verdade é que tem gente no PMDB agitando essa possibilidade.

* Mesma possibilidade estaria acontecendo no PT, onde o pré-candidato ao Governo Delcídio do Amaral, que ainda não tem os candidatos ao Senado e vice-governador definidos por falta de habilidade ou determinação para fechar alianças, poderia também ser substituído pelo ex-governador Zeca do PT ou pelo deputado estadual Pedro Kemp.

* Já o tucano Reinaldo Azambuja não tem toda a certeza se será ou não candidato a governador. Num dia ele fala que sim, mas no outro ele diz que está analisando o quadro político, pois o deputado federal do PSDB ainda não fechou com nenhum candidato ao Senado e nem a vice-governador.

* Pior que isso: tem um fato novo no pedaço. O ex-presidente da Sanesul, José Carlos Barbosa, vem sendo colocado pela classe política como um possível candidato da 3ª Via para o Governo do Estado. Seria um esquema do seu partido, o PSB do pernambucano Eduardo Campos e do prefeito de Dourados Murilo Zauith. Ainda não se sabe se num esquema com Reinaldo Azambuja que seria candidato ao Senado, ou com o governador André Puccinelli (PMDB) que em matéria de política ele dá nó em fumaça. O quadro no Estado, hoje, é mais ou menos esse. Vamos aguardar o capítulo da próxima semana.

CULPA DO LULA

* Debate numa rede de televisão esta semana demonstrou que a culpa por esses gastos estratosféricos para a construção de estádios de futebol por esse Brasil todo para a Copa do Mundo, foi do ex-presidente Lula durante o seu mandato. Segundo os debatedores (jornalistas, comentaristas e políticos) o projeto da FIFA previa apenas a construção de quatro estádios, no máximo cinco, conforme ocorreu nos outros países que sediaram.

* O então presidente Luiz Inácio Lula da Silva querendo mostrar a grandeza do Brasil perante o mundo e desejando tirar proveito disso, exigiu da FIFA que a Copa fosse disputada em 12 cidades beneficiando todas as regiões do país: sul-leste-centro-oeste-norte e nordeste. Resultado: “Nunca antes na história deste país” houve tanta corrupção por conta da Copa. Parece que o marketing da Copa das Copas pode entrar em parafuso. Tomara que não!

AÇÃO

* Felizmente o Governo Federal acordou e está tomando as devidas providências para impedir as badernas, protestos e toda a ação perversa da criminalidade. As Forças Armadas já entraram em ação e estão movimentando 30 mil homens para guardarem as fronteiras, na chamada “Operação Ágata”. Resta saber se o objetivo da ação é impedir que a bandidagem entre no país durante a Copa ou que deixe o Brasil nesse período.

PRÉ-CANDIDATOS

* A situação dos três (por enquanto) pré-candidatos ao Governo do Estado está meio complicada. Os petistas estão reclamando que o senador Delcídio do Amaral de tanto conversar e “tramar” com o deputado federal Reinaldo Azambuja ficou falando como tucano e com jeito de tucano. Por outro lado, os tucanos estão dizendo que Reinaldo Azambuja perdeu o Delcídio, mas ficou com o discurso do PT, as manias e os blefes do PT.

* Enquanto isso, no Parque dos Poderes há um boato que o governador André Puccinelli está com pouca inspiração para lutar pela eleição de Nelsinho Trad que, segundo dizem, é o único pré-candidato ao Governo que estaria com alguns trocos para gastar na campanha eleitoral.

* Na Governadoria um dito-cujo me disse que essa falta de inspiração que estaria afetando o governador, seria estratégia de André Puccinelli para enganar os adversários. Pode ser.

J. N. Oliveira

jndeoliveira@top.com.br

*Diretor e editor do Jornal de Notícias de Ponta Porã